Posted on / by Lapidare / in Trends, Uncategorized

Lasers e tecnologias da luz na estética

O que são, como funcionam e quando podem ser aplicadas? Confira o breve guia que o Instituto Lapidare preparou com base em alguns tópicos presentes no módulo inicial da pós-graduação em Cosmiatria e Laser para especialistas e residentes que desejam se aprofundar na estética de alto padrão

Uma das principais tendências da dermatologia, cirurgia plástica e cirurgia vascular aplicada à estética de alto padrão para os próximos anos é a evolução dos tratamentos baseados no uso de lasers e tecnologias da luz. Apesar de não ser novidade no mercado, a prática com esses instrumentos ainda é permeada de mistérios para muitos profissionais da área.

Pensando nisso, o Instituto Lapidare – centro de treinamento médico pioneiro especializado em cirurgia plástica, dermatologia e estética de alto padrão – preparou um guia com as principais informações sobre a tecnologia, como ela funciona e como pode ser aplicada em clínica.

O curso semipresencial de Cosmiatria e Laser do Instituto Lapidare transfere esse conhecimento de maneira aprofundada por meio de atividades práticas e teóricas, essencialmente hands-on, em que os alunos praticam tudo o que aprendem diretamente em cadáveres frescos (Fresh Frozen) e com pacientes-modelo reais, num ambulatório avançado que fornece atendimento social à comunidade, em Balneário Camboriú.

Confira o guia abaixo e entre em contato com o Lapidare se quiser saber mais.

Lasers e Tecnologias da Luz: o que são e como funcionam

A palavra Laser na verdade é uma sigla para Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation (ou Amplificação de Luz por Emissão Estimulada de Radiação). Trata-se de uma radiação eletromagnética que pode ser usada para atingir diversos objetivos.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) explica que, na Dermatologia, o Laser é direcionado para um alvo específico na pele, que pode ser um pigmento do próprio organismo como a melanina (presente nas manchas de sol), a tinta de uma de tatuagem ou até mesmo a água, como acontece com os lasers fracionados que estimulam a produção de colágeno novo por meio do aumento de temperatura.

As tecnologias de Laser aplicadas na estética podem ser classificadas em três categorias: as de baixa potência, de média potência e de alta potência – que só podem ser utilizadas por médicos e são empregadas em procedimentos cirúrgicos.

Lasers de média potência também estão entre os usados para procedimentos como remoção de tatuagem e depilação. Seu efeito térmico causa modificações na estrutura da pele, o que os diferencia dos de baixa potência, que apenas estimulam a melhora de alguma função específica que as células já são capazes de realizar por conta própria.

No rol de média e baixa potência, estão também outras tecnologia da luz empregadas em procedimentos estéticos: a Luz Intensa Pulsada (LIP) e o LED (Light Emitting Diode, ou Diodo Emissor de Luz). Ambas tecnologias ocupam espaço no mercado e são reconhecidas como eficientes instrumentos de diagnóstico e tratamento. As principais diferenças entre Laser, o LED e a Luz Intensa Pulsada têm a ver com a cor, a direção e a potência da luz.

Luz Intensa Pulsada

É uma tecnologia que emite feixes de luzes difusas e de diferentes cores. Atua diretamente com os componentes fotorreceptores da pele (que reagem de acordo com a luz). Quando esses componentes da pele aquecem, o tecido coagula a ativa reações químicas do organismo. Dessa maneira, é lesionado apenas o tecido alvo, aquele que interage com a luz que a pele está recebendo.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia indica a Luz Intensa Pulsada para tratamentos que buscam o rejuvenescimento da pele, por proporcionar aumento na espessura, estimular a produção e reorganizar uniformemente as fibras colágenas e elásticas (responsáveis pela firmeza e elasticidade da pele) – além de aumentar a atividade dos fibroblastos (células da derme responsáveis pela secreção das fibras de elastina e de colágeno).

Na pele envelhecida, a aplicação da Luz Pulsada provoca a redução de teleangiectasias (microvasos), rubor e vermelhidão. Também proporciona melhora da aparência de rugas finas e grossas, da textura e aspereza da pele, na redução do tamanho de poros e na secreção de sebo, na elasticidade, na redução da elastose e na diminuição de ceratoses actínicas e manchas.

Infravermelho e lasers de baixa intensidade

Os lasers de faixa de luz infravermelha (invisível aos olhos nus) estão entre os lasers de baixa potência indicados para lesões profundas por apresentarem propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e bioestimulantes. O mais comum destes é o laser de Arseneto de Gálio (AsGa). As pesquisas indicam bons resultados da aplicação desse tipo de laser inclusive no tratamento de feridas crônicas de difícil cicatrização.

Alguns dos efeitos observados após os tratamentos com infravermelho foram aumento da circulação local, proliferação celular e capacidade de cicatrização do tecido conjuntivo através da síntese de colágeno – o que contribui na reparação de perdas de substância, sobretudo em úlceras de diversas origens, queimaduras, feridas traumáticas e operatórias.

Como não produz calor, a laserterapia de baixa intensidade não entrega os resultados que se manifestam a partir dos efeitos térmicos. No entanto, resultam em outros efeitos fotofísicos, fotoquímicos e fotobiológicos. Podem ser usados para estimular a atividade celular, conduzir a liberação de fatores de crescimento, proliferar queratinócitos, além de estimular regeneração e produção de colágeno e elastina.

Lasers Ablativos

Os lasers ablativos são capazes de vaporizar e remover completamente a epiderme e uma parte superficial da derme. São usados na dermabrasão, também conhecida como resurfacing ou laser abrasão. O que eles fazem, em palavras bem simples, é ferver a água presente nas camadas superficiais da pele. Mas seu efeito é mais profundo, porque essa lesão térmica acaba estimulando a produção de colágeno.

Entre os lasers ablativos mais usados para essa finalidade estão laser de CO2 e o Erbium YAG. Os dermatologistas costumam aplicar essa tecnologia em tratamentos de dermato-heliose da face, cicatrizes de acne, rinofima, rejuvenescimento facial etc.

Os lasers ablativos existem há muitas décadas, mas nos últimos anos passaram por uma evolução que resultou nos lasers ablativos fracionados – em que o feixe de luz é difundido em vários micro feixes, como se fosse um chuveiro. Quando é usado, o laser ablativo fracionado preserva pontos sem lesão na pele tratada, o que facilita o processo de recuperação.

Laser ND YAG

O laser de Neodímio YAG, também conhecido como ND YAG, é um tipo de laser fracionado, mas não ablativo, que consegue atingir as camadas mais profundas do tecido da pele. Funciona emitindo um comprimento de onda de luz de alta energia, que, quando focada em uma determinada condição, cria calor e destrói as células doentes.

Pode ser usado em diversos tratamentos, como para lesões e marcas de nascença vasculares, varizes, telangiectasia e hemangioma. Também são eficientes na remoção de manchas da pele, de pêlos e de tatuagens, tratamento de onicomicose – uma infecção em unhas causada por fungos que se alimentam da queratina. Os lasers ND YAG também têm sido utilizados para melhorar a aparência de rugas e outras marcas de envelhecimento na pele.

O ND YAG é o laser com maior potencial de penetração. Portanto, pode ser utilizado para tratar alvos profundos no rosto e corpo. Mas talvez sua principal vantagem é que tem pouco efeito inflamatório, não queima, forma menos crostas – o que possibilita eliminar ou melhorar lesões vasculares com menos riscos de complicações.

Quero me especializar em Cosmiatria e Laser

Cosmiatria é a área da dermatologia, cirurgia plástica e cirurgia vascular que estuda e trata da beleza de uma maneira ampla, ética e profissional. O curso de pós-graduação em Cosmiatria e Laser é voltado para especialistas e residentes que buscam uma formação dirigida nesta área, capacitando-se para assistir de maneira integrada os problemas relacionados à estética humana.

Os tratamentos pouco invasivos, com finalidade e resultados estéticos, evoluíram muito nos últimos 10 anos. No entanto, os serviços de residência médica no Brasil ainda não apresentam o ensino em Cosmiatria de forma curricular, nem equipamentos e laboratórios adequados para ensinar de uma forma alinhada à realidade do mundo hoje.

Por meio de um posicionamento científico e ético, o curso oferece aos alunos a possibilidade de disponibilizar em suas clínicas um atendimento com mais respeito, humanismo e biossegurança ao paciente de estética.

A próxima turma está com vagas abertas e as aulas iniciam em março, com um encontro presencial de três dias (quinta, sexta e sábado) uma vez ao mês no Instituto Lapidare – inserido na universidade UniAvan, em Balneário Camboriú, onde acontecem as práticas.

Além do ambulatório avançado para atendimento de pacientes reais, o Instituto Lapidare tem parceria com o ITC (Instituto de Treinamento em Cadáveres), que disponibiliza espécimes Fresh Frozen para as práticas do curso. A especialização completa em Cosmiatria e Laser dura 10 meses.

Acesse para saber mais: https://lapidareinstituto.com.br/cosmiatriaelaser/

Deixe uma resposta