Posted on / by Lapidare / in Trends, Uncategorized / 2 comments

Pacientes confiam em médicos que sabem se comunicar

Vivemos na Era do Cliente e, mais do que nunca, os pacientes escolhem seus médicos com base na confiança. Mas como construir confiança? Pesquisas apontam que, em todos os lugares do mundo, o maior diferencial nesse caso está na qualidade da comunicação do médico com o paciente. Conheça as vantagens e confira ao final do texto cinco ações vão melhorar a sua comunicação com os pacientes

A confiança é um dos componentes mais essenciais da relação médico-paciente. Em geral, confiar significa acreditar que alguém é honesto ou bom – e que não vai lhe causar mal. Parece uma palavra simples de definir, mas na verdade o tema é complexo. Acontece que confiança não é algo que simplesmente acontece: ela precisa ser construída e mantida. E as pesquisas apontam que, cada vez mais, a comunicação é uma das principais características em que os pacientes se baseiam para estabelecer uma relação de confiança com o médico.

As mudanças no padrão de relacionamento entre médicos e pacientes estão se tornando a cada dia um desafio maior para os profissionais da Saúde. Antes de haver informação disponível na palma da mão de qualquer pessoa, o paciente não tinha muita escolha além de confiar nas competências do médico à sua frente, bem como na sua capacidade de ditar os caminhos do tratamento. Mas aí chegou a Era da Informação, a 4ª Revolução Industrial, ou como você preferir chamar o momento em que vivemos. Agora, para uma relação saudável, as pesquisas mais recentes apontam todas para a mesma direção: confiança e comunicação têm uma relação direta.

Melhorar os skills de comunicação pode resultar em várias vantagens para um médico, impactando tanto a eficácia do tratamento, quanto a capacidade de levar mais pessoas para a sua clínica ou consultório. Confira:

Boa comunicação melhora a eficácia do tratamento

Pessoas têm mais probabilidade de seguir à risca um tratamento quando confiam no médico. E elas confiam mais no médico quando ele se comunica com elas. Mas é importante destacar que comunicar não significa apenas falar!

A comunicação é uma via de mão dupla.

Com os avanços tecnológicos e todos os recursos que a Saúde 4.0 é capaz de disponibilizar, a expectativa é que os médicos tenham mais tempo para conversar com seus pacientes, ouvir seus relatos e reagir a eles demonstrando atenção, preocupação e empatia – que é a capacidade de se colocar no lugar do outro.

Em resposta a isso, os pacientes confiam mais e, portanto, ficam mais seguros diante do tratamento proposto a eles.

Boa comunicação faz com que você seja recomendado

Outro fato importante que tem tudo a ver com comunicação – mas também com mercado – é que os clientes fazem escolhas baseados em recomendação. Hoje isso é verdade para qualquer coisa, inclusive para o paciente que está em busca do melhor clínico para lhe atender.

Se você consulta as recomendações de outros clientes antes de comprar um eletrodoméstico, imagine a importância da recomendação para quem busca de alguém para cuidar de sua saúde, ou para realizar procedimentos que interfiram em sua saúde e na sua aparência para o mundo, como no caso dos procedimentos estéticos.

Portanto, manter pacientes satisfeitos não apenas com sua técnica e seu conhecimento, mas também com a pessoa que você demonstra ser quando o atende, tem tudo para ser o seu principal cartão de visitas.

5 ações que o médico pode adotar para se comunicar melhor

1- Entenda seu paciente e fale a língua dele
A principal dica é entender as necessidades e expectativas do seu paciente e colocá-las em primeiro lugar. Isso significa primeiro ouvir e prestar atenção. Depois, não se esqueça de traduzir o vocabulário técnico quando for falar. Use palavras que permitam ao paciente entender com clareza o diagnóstico, o prognóstico e as escolhas que tem pela frente. As pessoas querem participar das decisões que dizem respeito à sua saúde e você tem o poder de incluí-las nesse processo.

2- Fale também para sua rede de contatos na Internet
E por que não se comunicar pela Internet também? As redes sociais quebram barreiras, encurtam distâncias e conectam pessoas. Elas podem ser aliadas importantes tanto na manutenção da boa relação com os pacientes que você já tem, quanto na conquista de indicações.

3- Seja generoso, compartilhe conhecimento
Aproveite seus canais on-line para compartilhar conhecimento, sempre com o cuidado de falar de uma maneira que os leigos entendam e de respeitar as resoluções normativas e ao Manual da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame). Dê dicas, compartilhe histórias interessantes, experiências de sucesso e também as de fracasso que te permitiram aprender e evoluir. Isso demonstra generosidade e que você mantém um processo de melhoria contínua.

4- Aliás, mostre que você está sempre aprendendo
Também mostre que você está se atualizando: vale registro no congresso e na sala de aula da pós-graduação, citar o trecho de algum artigo ou recomendar o podcast que você ouve quando está no trânsito. Essas coisas também mostram a sua humanidade e permitem que seus pacientes se identifiquem com você num nível mais profundo, estreitando a relação de confiança.

5- Peça elogios e, quando eles chegarem, publique!
Por fim, não tenha vergonha de pedir recomendação e nem de compartilhar depoimentos dos seus pacientes satisfeitos. Você pode pedir para escreverem algumas linhas ou para gravarem um vídeo, se houver intimidade para isso. Compartilhe no site e nas redes sociais. Facilite o acesso às suas avaliações positivas. Vale até publicar o print daquele inbox querido que um paciente mandou – desde que ele concorde com isso, claro.

Além de ajudar a melhorar o relacionamento com os pacientes atuais e conseguir recomendação de novos, todo esse conteúdo em seus canais vai fazer com que seja mais fácil alguém te encontrar quando busca um médico com sua especialidade através das ferramentas de busca on-line. Ou seja: se você ainda não investe tempo para aperfeiçoar as suas habilidades de comunicação, significa que está perdendo tempo. Que tal começar agora?

2 thoughts

Deixe uma resposta