Posted on / by Lapidare / in Trends

Pós-graduação em Rejuvenescimento Íntimo: mais qualidade de vida para profissionais e pacientes

Santa Catarina recebe a primeira Pós-Graduação em Rejuvenescimento Íntimo e Estética Genital do Brasil. Apesar de o país ser o líder mundial em cirurgia íntima feminina, registrando 21 mil cirurgias por ano, esta é a primeira especialização totalmente direcionada à área. Chega para quebrar tabus e para transformar a história da Medicina brasileira e da vida de milhares de mulheres.

O projeto para a primeira pós-graduação, no entanto, não é de agora. Nasceu há anos, em consultórios de todo o país a cada reclamação de paciente após os efeitos da menopausa. Surgiu do constrangimento ou da falta de libido da mulher. Do incômodo da mãe com a região vaginal após o parto.

A concretização da pós-graduação passou pela necessidade do médico em ir além e buscar ajuda para a paciente. Foi consolidando-se a cada hora de estudo, de pesquisa e de conhecimento de profissionais para dar uma melhor qualidade de vida às brasileiras.

Esta qualificação ganhou força nos cursos que surgiram sobre o tema, nos debates entre os especialistas, na troca de experiências, na evolução da tecnologia, no surgimento de novos procedimentos e técnicas. E tornou-se real após o encontro de um centro de ensino de excelência, o Instituto Lapidare, com as profissionais mais renomadas da área.

Coordenadoras

Parecia longe demais, mas a dermatologista Dra. Ursula Metelmann conseguiu mudar os paradigmas da medicina brasileira com relação ao rejuvenescimento íntimo. Com vasta experiência na elaboração de protocolos de equipamentos a laser, percebeu desde 2007 que a estética vaginal deveria ser tratada de forma diferenciada.

Mas encontrou resistência e dificuldades como, por exemplo, a falta de literatura sobre o tema. Com ousadia, persistência e a expertise adquirida durante a trajetória como speaker, introduziu o assunto em congressos e demais eventos e fez desta a sua missão de vida: proporcionar bem-estar, longevidade, uma vida mais saudável e independente para as mulheres.

Enquanto, em São Paulo, a Dra. Ursula quebrava tabus iniciando as discussões e as pesquisas sobre a estética íntima, em Santa Catarina, a Dra. Daniela Ribeiro, no último ano de graduação, mudou drasticamente o que havia planejado, ser ginecologista, e optou pela dermatologia.

Com o investimento em equipamentos e o aperfeiçoamento de técnicas como lasers, radiofrequências, peelings, microagulhamento, preenchimentos, uso da toxina botulínica, dos bioestimuladores, não demorou para se tornar uma das referências da área, inovando a dermatologia e sendo uma das percursoras deste universo de libertação, de renovação, autoestima e de saúde para as mulheres.

Mas a Dra. Daniela Ribeiro entrou muito bem acompanhada neste novo mundo. Convidou a ginecologista/mastologista Dra. Kátia Beckhauser para testar um dos métodos a laser. Este foi o primeiro, porém decisivo contato da médica com a área do rejuvenescimento íntimo.

Atualmente está concluindo a tese de Doutorado na área, contribuindo de forma significativa para qualificar os estudos sobre o tema, que ainda são escassos. Após aquela primeira experiência, a profissional adquiriu anos de práticas, técnicas e estudos sobre os diversos recursos para as pacientes. Hoje utiliza o Fotona, segunda geração de laser, com excelentes resultados, entre eles a melhoria do bem-estar físico e emocional das mulheres.

Também em São Paulo a ginecologista Dra. Daniella Curi sempre olhou com carinho para a área da estética. Foi então que ao terminar o Doutorado sobre síndrome de ovários policísticos, decidiu realizar o sonho antigo, ser também dermatologista, o que a torna ainda mais qualificada para atingir um dos seus principais focos na profissão, a busca por tratamentos inovadores e seguros que valorizem a beleza natural e a autoestima das mulheres, aliando a estética à saúde.

Missão adotada também pela dermatologista Dra. Natasha Pinheiro Crepaldi, uma das pioneiras no país nesta área da estética. Trabalha com o laser Fotona desde a chegada do equipamento no Brasil e é uma referência de empreendedorismo, liderança e gestão de equipe.

Nova especialização, mais vida

A primeira Pós-Graduação em Rejuvenescimento Íntimo e Estética Genital no Brasil só é possível pela união de diversos fatores e um dos mais relevantes é a necessidade dos profissionais em ter maior embasamento e qualificação na área para aplicar os procedimentos e contribuir para dar uma vida melhor para as pacientes, mas também para ter uma rotina com mais qualidade.

Foi por isso que 34 mulheres e 03 homens, de diversas especialidades, especialmente dermatologia e ginecologia, de todas as partes do Brasil como Tocantis, Brasília, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, entre outros, inscreveram-se e após 18 meses de especialização serão os primeiros pós-graduados em rejuvenescimento íntimo do país.

É o caso da Dra. Mariana Rodrigues de Souza, de Palmas (TO). Ginecologista, especialista em endometriose, foi mãe há quatro meses e percebeu uma inversão de prioridades. Como as jornadas longas de trabalho e as cirurgias de oito a dez horas não se encaixam à nova realidade, decidiu se reinventar. Durante a pandemia, começou a estudar sobre rejuvenescimento íntimo, área pouco trabalhada na região em que reside. “Mesmo com a carreira consolidada e sendo referência no estado na área de endometriose, essa é uma excelente área para investir e recomeçar”, enfatiza a médica.

Ter mais qualidade de vida também é o objetivo da Dra. Juliana Zanatta, que atua em Florianópolis (SC), especialmente depois da chegada dos gêmeos. Ginecologista e apaixonada pela obstetrícia, busca sempre oferecer mais à paciente e agora a si mesma. “Ano passado fiz 40 anos de idade. E decidi que em 2020 eu iria mudar a minha vida. Fui na minha dermatologista e ela me indicou a pós. Queria alguma coisa para ter mais qualidade de vida e tenho certeza que com a especialização vou poder proporcionar uma melhoria no dia a dia também das minhas pacientes”.

A maternidade também alterou completamente os planos profissionais da Dra. Karina Quezada Migliori, que atualmente mora no Espírito Santo. Após engravidar de trigêmeos, a ginecologista obstetrícia teve que largar a medicina. Ficou afastada por um bom tempo até retomar a profissão, mas de forma diferente. Fez pós-graduação em medicina estética, focada em ginecologia. Com a oportunidade da especialização em rejuvenescimento íntimo, a profissional pretende realizar a missão de tratar cada paciente em 360 graus e superar os desafios. “O trabalho maior aqui é também de informação porque ainda existe muito tabu”.

A Dra. Vanessa Engelmann, de Joinville (SC), sabe bem como é ter filhos pequenos e conciliar a casa e os longos plantões. Atuando predominantemente na obstetrícia, teve o primeiro contato com rejuvenescimento íntimo há cerca de seis anos em um curso. A notícia da pós-graduação veio para fortalecer ainda mais o interesse da médica. “Esta é uma área que sempre gostei muito, mas é necessário este embasamento para fazer o trabalho da melhor forma possível”.

É o que também pretende a Dra. Alynne L. Maquesi Genovez Galindo, que mora em Balneário Camboriú (SC). Após ser mãe, a ginecologista afastou-se da profissão para se dedicar à filha. Oito meses depois veio a surpresa, estava grávida novamente. Agora decidiu retomar e ao descobrir a realização da pós-graduação não perdeu tempo. “Percebi que era a hora certa. Pretendo me dedicar a isso na profissão”. 

A mudança provocada pela chegada das três filhas e a necessidade de ir além também levaram a Dra. Suelen Mattos Farias, de Cascavel (PR), a encontrar a pós-graduação em rejuvenescimento íntimo. ‘Aqui em Cascavel comecei a me destacar na parte de Cosmiatria. Mas tenho a necessidade de ter um algo a mais”, destaca a ginecologista.

Nova especialização, novas mulheres

A ginecologista e médica legista com 30 anos de formação, Dra. Maria Cristina de Próspero, de Cuiabá (MT), já atuou em clínicas privadas e no serviço público, e tem na história o acompanhamento de pacientes há mais de duas, três décadas. Após uma situação de saúde que exigiu o afastamento da profissional dos consultórios, a ginecologista retoma o trabalho, mas com algo a mais. “Ao retornar entendi que precisava me reinventar, sem abandonar minhas pacientes, mas retribuindo de alguma forma a confiança e a fidelidade dessas mulheres”.

Ter mais um diferencial para ajudar as pacientes é o que busca a Dra. Renata Alice Libardi, de Cuiabá (MT). Como trata globalmente a paciente, ao perceber que havia uma demanda reprimida com relação a questões depressivas e de ansiedade das mulheres, concluiu uma pós-graduação em psiquiatria. Agora ao sentir que as mulheres se preocupam cada vez mais com a parte estética, começou a buscar mais embasamento para atuar e encontrou a especialização em rejuvenescimento íntimo. “Tenho uma demanda muito grande de pacientes fazendo laser. A mulher de 50 é a nova mulher de 30. Porque nós estamos cada vez mais seguras. É um perfil de mulher que vive a plenitude da sua maturidade”.

Proporcionar esta plenitude a cada paciente é o objetivo da Dra. Angélica Pimenta da Silva. Com três clínicas em São Paulo, a médica acredita que as mulheres precisam ter liberdade e se amar de uma forma diferente, sem constrangimento por sentir alguma dor ou outra complicação. “Tenho bastante paciente e temos que ser os melhores no que nos propusermos. Quero me tornar referência em São José do Rio Preto, abrindo um centro de reabilitação íntima. É o momento de focar em sexualidade, liberdade, aumento do prazer”.

Solucionar os problemas das pacientes e dar mais qualidade de vida, em todas as áreas, é o foco da Dra. Aline Braun Montresor, de Cuiabá (MT). A ginecologista sempre teve interesse pela pare estética e funcional e pela cosmiatria. Ao começar a trabalhar com uma dermatologista passou a ter mais contato e prática com procedimentos estéticos íntimos. “Recebo várias queixas de pacientes jovens com flacidez vaginal, atrofia no pós-parto, dificuldade de lubrificação, menopausa química causada pelo uso do anticoncepcional. Acredito que a pós-graduação nos deixe com mais credibilidade para atuar na área e para ajudar essas mulheres”.

Foi isso também que incentivou a Dra. Luciana Miele, de Bento Gonçalves (RS), a entrar na pós-graduação. Ginecologista obstetrícia e mastologista, passou a se interessar por laser devido à dificuldade de tratar a atrofia e a síndrome urogenital da paciente com câncer de mama. “Fiz vários cursos, mas senti a necessidade de ter um embasamento de A a Z e foi o que encontrei no programa da pós. A gente realmente se apaixona por esta área e é mais fácil você propor o tratamento quando você acredita nele”.

As constantes queixas das pacientes, o desgaste da obstetrícia e dedicar mais tempo à família motivaram a Dra. Tainá Ribas de Moraes, que trabalha em São Gabriel (RS) a entrar nesta nova área. “No consultório atendo pacientes na menopausa que se queixam de atrofia genital. Então resolvi fazer o curso. Acredito que com a especialização consiga trabalhar nisso depois, contribuindo com o bem-estar e a autoestima das mulheres”.

A Dra. Helga Carmen de Oliveira Pavan, de Joinville (SC), tem estímulos semelhantes para se dedicar à nova especialização. Ginecologista e obstetra, com 22 anos de formação, decidiu se reinventar. “Não tenho medo de começar de novo. No dia a dia do consultório, a gente vê a quantidade de queixas das pacientes. Eu sei que vou poder ajudar muito na prática essas mulheres”. 

Nova especialização, novo mercado

Acostumada a se envolver com as pacientes, a ginecologista Dra. Adriana Lopes, de Ponta Grossa (PR), há anos trabalha para entender melhor a alteração hormonal de pós-parto e de endometriose e a buscar procedimentos para solucionar estes incômodos. “Fiz vários cursos neste sentido. Me encontrei neste mundo. Estou buscando com a pós-graduação o embasamento para poder fazer só isso. Meu objetivo é conseguir me fortalecer e me posicionar no mercado, mas com o melhor embasamento possível”.

Ao mudar de clínica, as médicas e irmãs Mariana Benedet Scheidt Muller e Joana Benedet Scheidt, de Criciúma (SC), também perceberam a possibilidade de trabalhar em um novo ramo, em conjunto com dermatologistas. “A pós-graduação nesta área é o nosso sonho. Para vender algo para estética é preciso ter muita segurança. As pacientes têm uma boa resposta, mas queremos aprofundar isso”, garante a Dra. Joana.

Assim como as ginecologistas Mariana e Joana estão fazendo em Criciúma (SC) compartilhando experiências e conhecimentos com dermatologistas, a Dra. Andréa Rúbia Perfeito, de Brasília (DF), também enfatiza a importância de um olhar duplo nos casos, da parceria entre dermatologistas e ginecologistas. “Ninguém está ocupando o espaço de ninguém, mas agregando. Mas eu sempre gosto de uma curva de crescimento maior. Sou uma ginecologista ousada, mas gosto de fazer a coisa bem-feita”. 

Esse é também o objetivo da médica Patrícia Barbosa. Formada há um ano e meio, atende em Porto Alegre (RS) e no interior de Santa Catarina onde o pai é médico. E foi lá que uma paciente, pós-câncer de mama, com uma atrofia genital importante trouxe a questão do laser. “Foi então que a estética íntima me chamou a atenção. Fiz alguns cursos na área. Já recebo pacientes para peeling, preenchimento. Como isso me trouxe felicidade de novo na minha profissão, sinto que tenho que dar o meu melhor. A pós-graduação me deu um motivo para amar de novo a profissão”. 

Pós-graduação Rejuvenescimento Íntimo e Estética Genital

O Instituto Lapidare realiza com exclusividade a Pós-graduação em Rejuvenescimento Íntimo e Estética Genital, com speakers renomados e o conteúdo mais atualizado sobre o tema.

Além de entregar todo o suporte sobre o tema, a pós-graduação integra aulas práticas em hands-on, aulas em ambiente online e conexão com as necessidades do mercado.

O profissional médico será capacitado para ampliar a atuação na prática diária, no atendimento estético e funcional do aparelho genital feminino.

Deixe uma resposta